Please ensure Javascript is enabled for purposes of website accessibility

LEITURA E ARTE ENTREVISTA Edith Chacon

LEITURA E ARTE ENTREVISTA
Edith Chacon
 
por Taís Lambert, outubro de 2020.
Edith Chacon

 Foto: Acervo particular

 

Taís Lambert - Edith, onde você nasceu e quantos anos você tem? Você é casada e/ou tem filhos? Onde você mora atualmente (o nome da cidade)?

Edith Chacon - Nasci na cidade de São Paulo no dia 9 de novembro de mil novecentos e alguma coisa... Sou casada há 42 anos e tenho dois filhos abençoados: Mariana e Rodrigo. Moro em Pinheiros há 42 anos e minha cidade de coração é Santos.

Taís Lambert - Você é professora de Português há quanto tempo? Para pessoas de que idade você leciona atualmente? O que você acha de dar aulas?

Edith Chacon - Sou professora de Português desde pequena. Adorava ler, desenhar e contar histórias para minhas bonecas. Com o tempo fui ganhando lousas maiores, giz de cor e cada vez mais o desejo foi crescendo. Fiz magistério, Faculdade de Letras e trabalhei no Centro de Pesquisas Linguísticas da PUC. Logo que me formei, fui dar aula na Escola Vera Cruz e no curso básico da PUC, mas acabei optando e me encantando pela irreverência dos adolescentes, os quais há 43 anos continuam me desafiando. Não, atualmente, não é fácil estar em sala de aula! Mas como sou movida a desafios, encantamentos e muita Literatura, os possíveis obstáculos foram e vão sendo enfrentados com muita escuta, conversa, leituras, estudos, escritas sempre regados com boa literatura. Sim, como diz Antonio Candido (1972;1995) a literatura é “um bem incompreensível, humanizador”. Sim, literatura e vida se entrelaçam. Despertam sentimentos inimagináveis. Se não acreditasse no ser humano e na força da educação, já teria mudado de profissão.  

Taís Lambert - Esse é o seu primeiro livro? Se não, qual(is) o(s) título(s) do(s) anterior(es)?

Edith Chacon - O meu primeiro livro chama-se Simplesmente Ler e foi publicado pela Editora Callis em 2011, também ilustrado pelo Fernando Pires. Gosto muito desse livro de poesias que foi sendo escrito ao longo de minha carreira profissional. Muitos desses poemas foram construídos após roda de conversas em sala de aula e/ou alguma temática em que os jovens estavam envolvidos.  Em 2017, o livro jogo sanfonado Era uma vez outra vez, ilustrado pela Priscilla Ballarin, foi publicado pela Edições Barbatana. Pela Editora Biruta tenho três livros que pertencem à coleção “Quer brincar de rimar”, todos ilustrados por Fran Junqueira: Farra no quintal (2018), Festança – Foi um dos cinco selecionados para o Prêmio da AEILIJ - (2019) e A Galinha do vizinho bota ovo xadrezinho (2020). Também em 2020, eu e Priscilla Ballarin produzimos de forma independente o livro-objeto Na casa deles, pela Editora Amelì, a publicação do livro (Des)Apontado, ilustrado pela Priscilla Ballarin, Somos o que somos, mas nem sempre, pela Editora Leitura e Arte. No prelo, Brincabichos em versos e cartas pela Estrela Cultural, e o livro Bichos? Que bichos? pela Editora Carochinha.

Taís Lambert - Você o dedica a seu pai, que criou o eixo principal dessa história. Você poderia, por favor, contar um pouco a respeito de como foi esse processo? (Ouvir a história dos netos, ressignificá-la, “traduzi-la” e transformar em uma história que possa despertar interesse, curiosidade, partilhas, diálogo).

Edith Chacon - O enredo dessa história foi inventado pelo meu pai, a partir de uma situação concreta. Muriçocas, borrachudos e pernilongos incomodavam os seus netos (entre 3 e 10 anos, na ocasião) e para distraí-los e fazer com eles não ficassem tão irritados, meu pai criou essa história, a qual foi repetida por um bom tempo. Quando ele ficou com Alzheimer, meus filhos e sobrinhos pediram-me para eu recontá-la para ver se meu pai tinha alguma lembrança ou reação. Mas isso não ocorreu. Infelizmente, ele partiu há seis anos, sem que pudesse saber dessa homenagem que eu queria lhe prestar. A reescrita livre, já com detalhamento, deu-se por volta de 2012 e passou por várias versões. O Alexandre Faccioli – na ocasião agente literário – fez a leitura crítica e o Fernando Pires foi convidado para ilustrá-la. Agora, depois de um bom tempo, tive o prazer de conhecer a Regiana da Leitura e Arte que concretizou não só o desejo de homenagear meu pai, como também o de compartilhar essa história com outros leitores independente de sua idade. Entre 2013 e 2019, alguns leitores críticos deram seus pareceres, entre profissionais, jovens e crianças. Ampliei a narrativa e a reduzi várias vezes até que eu mesma dei um ponto final.

Taís Lambert - Qual é o principal objetivo do livro?

Edith Chacon - Como todos os livros com histórias infantis, antes de mais nada, divertir. Encantar os leitores, fazê-los voar com a imaginação, despertar curiosidade, causar estranhamento para que façam perguntas, buscar novas leituras, desejar ler mais e mais... Quem sabe querer saber por que as personagens não eram compreendidas por alguns adultos, por que desejavam se aventurar, por que não podiam ter outros sonhos, por que não podiam conciliar suas tarefas com outros prazeres? E tantas outras indagações que o texto possa proporcionar.

Taís Lambert - Você acredita que essa história tem, também, potencial para tocar os pais, visto que eles precisam aprender a lidar com a diversidade, identidade e liberdade dos filhos?

Edith Chacon - A leitura de um livro pode despertar uma boa conversa/interação entre pais e filhos, entre alunos e professores, entre crianças e jovens. Segundo Cristiane Tavares “pode ser um potente aliado no desenvolvimento da criança”. Como mãe, sempre contei histórias para meus filhos, desde a gestação, porque tenho certeza de que a literatura humaniza, estreita laços de afetos, dispara uma série de sensações e saberes. E sempre abri espaço para o diálogo, acreditando que os pais não devam fugir de nenhum assunto que tenha sido solicitado ou mencionado pelo filho, assim como os que são abordados na literatura, a qual abre infinitas portas.

Taís Lambert - Levando em consideração o parágrafo abaixo, pode-se fazer um paralelo sobre o desafio que é para a criança descobrir-se e sentir-se desconfortável na própria pele. Qual é sua opinião sobre a construção da identidade na infância, tendo como exemplo Pernilonguinha e Isabelha?

Imagem1

Edith Chacon - Primeiro gostaria de deixar claro que as personagens dessa história não negam sua identidade/essência, apenas querem se aventurar e explorar outras experiências. Bom pretexto para uma boa conversa/interação ao final do livro. Destaco aqui a importância do mediador de leitura, já que a construção da identidade na infância se dá primeiro no meio familiar e depois na escola, para que ele esteja aberto para a escuta e para a conversa de qualquer tema que desperte interesse e curiosidade no leitor, lembrando-se de que não se deve subestimar a inteligência da criança e muito menos abafar sua curiosidade, fantasia e imaginação.

Taís Lambert - Em sua opinião, como os pais – ou os responsáveis pela educação/criação – podem ensinar os pequenos a descobrir suas próprias habilidades e capacidades e vivenciar sua liberdade sem abrir mão da autoridade que possuem sobre eles?

Edith Chacon - Sim! Pais e educadores podem desenvolver, acompanhar e incentivar desde cedo os pequenos a descobrir suas habilidades e competências. Sempre acreditei numa relação de respeito, troca e muito afeto. Dar limites sem impedir que a criança expresse suas ideias e questionamentos é um eterno exercício. Assim como ajudá-la a expressar os seus sentimentos, lidar com suas frustrações, aprender a compartilhar, a ser grata e a colocar--se no lugar do outro. É muito importante que, desde pequena, a criança entenda que cada pessoa tem suas características pessoais que precisam ser respeitadas. Pais e educadores são importantes nesse desenvolvimento. Dar-lhes feedbacks, acompanhando suas ações. Demonstrar confiança – olho no olho para que a criança também se torne um adulto mais maduro, confiante, sabendo controlar melhor suas emoções. Enfim, não é uma tarefa fácil!

Taís Lambert - O título do livro é intrigante e assertivo. O que você pode dizer sobre a mensagem que ele traz?

Edith Chacon - Em primeiro lugar, espero que meus leitores se divirtam muuuito e que possam ter espaço para dialogar e discutir sobre o que quiserem. Respeito, autoridade, amizade, confiança, liberdade, diversidade entre tantos outros temas sugeridos pela leitura. Gosto da frase de Teresa Colomer quando ela comenta que com a leitura literária “temos a possibilidade de ser outro sem deixar de sermos nós mesmos”.  O Somos que somos, mas nem sempre aborda essa temática.

Taís Lambert - Como se deu a escolha do tipo de ilustração que comporia o livro? Qual é sua opinião sobre as ilustrações e seu autor?

Edith Chacon - O Fernando Pires é uma pessoa muito especial para mim. É um excelente profissional, amigo e aberto ao diálogo. Ele foi o ilustrador de meu primeiro livro “Simplesmente ler”, cujas imagens são belíssimas! Após a leitura do texto, Fernando fez as primeiras ilustrações, trocamos algumas ideias e ele foi compondo com liberdade. Fiquei muito satisfeita e feliz com o resultado.

Contato

11 4890-2216

11 93761-4103

Ter a Sáb: 9h às 18h

R. Claudio Soares, 72
9º Andar / Conj. 912
Pinheiros - São Paulo/SP
CEP: 05422-030

Siga-nos

© 2014-2021 LA Editora Ltda-ME   |   Todos os direitos reservados   |   CNPJ: 19.119.918/0001-82   |   Site desenvolvido por OSN

login